× Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
Aprendizado Espírita
Textos e ferramentas para aprender, ensinar e divulgar o Espiritismo
Textos
Ilustração: Capa do livro Doutrina Espírita, editado pelo Círculo Espírita da Oração (Salvador, BA, 1993), com o curso de Doutrina Espírita dado por Deolindo Amorim no Instituto de Cultura Espírita do Brasil (ICEB)
 
ROTEIRO DE LEITURA E ESTUDO (RLE)
ELEMENTOS DE FILOSOFIA E CIÊNCIA ESPÍRITAS
Módulo 3 - Introdução ao estudo da Filosofia

SUMÁRIO
 
- Apresentação
- O homem que ensinava filosofia
- Preliminarmente
     Visão geral da Filosofia

           - Natureza da Filosofia
          - Objeto da Filosofia
          - Método da Filosofia
          - Divisão da Filosofia

     - Que é Filosofia?
           O problema da filosofia
           Viver e compreender
          - Definição de Filosofia
         - Noções introdutórias de Filosofia
        - Referências bibliográficas

RLE - Módulo 3 - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FILOSOFIA
- Texto-base: Filosofia geral (por Deolindo Amorim)
- Textos complementares
- Exercícios de verificação
          - Perguntas
          - Respostas
Citações e transcrições
- Caixa de ferramentas
- Índice do RLE - ELEMENTOS DE FILOSOFIA E CIÊNCIA ESPÍRITAS

 

APRESENTAÇÃO
 
Nosso principal escopo é o estudo, a difusão e a defesa dos princípios espíritas. Conquanto não pretendamos fazer da Doutrina Espírita a única fonte de verdades, o que seria até insensatez, pois também há muita luz no pensamento de outras doutrinas, entendemos que o Espiritismo é doutrina muito séria e, portanto, não pode ser apreendida nem interpretada "por alto".

DEOLINDO AMORIM. Apresentação do Anais do Instituto de Cultura Espírita do Brasil. Vol. III - 1964/70

Instrutor Guima

Iniciamos este RLE - ELEMENTOS DE FILOSOFIA E CIÊNCIA ESPÍRITAS com o Módulo 3 - Introdução ao estudo da Filosofia, no qual damos noções gerais de Filosofia, verificamos suas "possíveis definições" e estudamos um texto básico sobre Filosofia, de Deolindo Amorim, um pioneiro desses estudos entre nós.

Vamos começar? Em frente, pois!

O QUE HOMEM QUE ENSINAVA FILOSOFIA

Instrutor Guima

Conheci Deolindo Amorim em 1982, quando esteve em Cambuquira, MG, proferindo uma palestra. Ou melhor: uma aula, pois Deolindo não palestrava, mas ensinava — como poucos — Doutrina Espírita. 



Contei-lhe, então, que iniciava meus estudos espíritas e que "dava umas aulinhas de espiritismo", uma vocação que sempre me acompanhou. Ele me incentivou a que continuasse e enviou-me dois volumes preciosos dos 
Anais do Instituto de Cultura Espírita do Brasil (volumes III e IV). 

 
 Em 1983, visitei-o no ICEB para agradecer o presente inesquecível e assistir uma das célebres palestras que se faziam naquela casa.

Posso dizer, então, que Deolindo plantou por aquela época o gosto pelo estudo do aspecto filosófico do Espiritismo e a sementinha deste site Aprendizado Espirita Net, com que, quase quatro décadas depois, continuo com minhas "aulinhas", hoje com os recursos da informática.

Por essas razões é que iniciamos este
RLE - ELEMENTOS DE FILOSOFIA E CIÊNCIA ESPÍRITAS com uma aula do mestre Deolindo Amorim, proferida no ICEB.

Vamos lá.

Sobre Deolindo Amorim, veja também:
 
- O Livro do Espíritos e seus desdobramentos - aqui
- Cadernos Doutrinários (C. E. 18 de Abril) - aqui 

PRELIMINARMENTE
 
FILOSOFIA E REFLEXÃO
Expressar-se-á bem a ideia de que a filosofia é procura e não posse, definindo o trabalho filosófico como um trabalho de reflexão. A reflexão é uma espécie de movimento de volta a si mesmo (re-flexão) executado pelo espírito que põe em pauta os conhecimentos que possui. A experiência da vida nos dá uma multidão de impressões e opiniões. A prática de uma especialidade, o conhecimento científico, trazem-nos outras noções mais completas e mais precisas. Todavia, por mais rica que seja a nossa experiência da vida, por mais completos que sejam nossos conhecimentos científicos ou técnicos, nada disso atua como filosofia. Ser filósofo é refletir sobre este saber, interrogar-se sobre ele, problematizá-lo. Definir a filosofia como re-flexão é ver nela um conhecimento não do primeiro grau, mas do segundo, um conhecimento do conhecimento, um saber do saber.


DENIS HUISMAN & ANDRÉ VERGEZ. Curso Moderno de Filosofia

Instrutor Guima

Para boa compreensão deste RLE - ELEMENTOS DE FILOSOFIA E CIÊNCIA ESPÍRITAS, necessário se faz breve introdução à Filosofia em geral.

Desse modo, estas
NOÇÕES PRELIMINARES objetivam fornecer, de forma resumida, pontos da disciplina Filosofia que facilitarão a compreensão e o desenvolvimento deste Módulo 3 e dos demais módulos deste RLE.

Vamos lá, ao trabalho!
VISÃO GERAL DA FILOSOFIA

Uma visão geral bastante didática sobre a Filosofia nos é dada por RÉGIS JOLIVET, na introdução do seu Curso de Filosofia (JOLIVET, 1979, págs. 19 a 24).

Essa introdução, JOLIVET a dividiu deste modo:

- Natureza da Filosofia
- Objeto da Filosofia
 - Método da Filosofia 
e
- Divisão da Filosofia

Vejamos cada um desses pontos.


Natureza da Filosofia

Nesse tópico, o autor, citando Aristóteles, diz que no homem o desejo de saber é inato, e que a curiosidade por desvendar os segredos da natureza é de todos os povos, lugares e tempos da história.

A seguir, distingue as formas do saber humanoconhecimento empírico, conhecimento científico e conhecimento filosófico. 

Confira:

 
 

Objeto da Filosofia

Aqui, JOLIVET explica a origem etimológica e o conceito de filosofia, que é atribuído ao grego Pitágoras, cujo povo a tinha como ciência universal. 

Na Idade Média, as artes e as ciências se destacaram da Filosofia, e essa separação, hoje consumada, faz que Ciência e Filosofia, ainda que tendo o mesmo objeto formal (
o mundo e o homem - objeto material), aquela se preocupe com as leis do fenômeno, esta com a natureza profunda das coisas, suas causas supremas e seus fins derradeiros.

Leia a seguir: 


Observação
O primeiro sábio que utilizou a palavra "Filosofia" foi Pitágoras, no século VI a.C. Em sentido etimológico, Filosofia significa devotamento à sabedoria, isto é, interesse em acertar nos julgamentos sobre a verdade e a falsidade, sobre o bem e sobre o mal. (RUIZ, 1982, P. 109)

 
Método da Filosofia

JOLIVET dá nesse passo a definição de método e leciona que o método de uma ciência depende do objeto mesmo dessa ciência (no caso do objeto formal).

A seguir, define o método filosófico e dá suas características essenciais.

Confira:


Observação
Para completar o ponto acima, vejamos resumidamente as diferenças entre o conhecimento científico e o filosófico, anotadas por (RUIZ, 1982, págs. 109/110).

Confira:

  Voltar
Divisão da Filosofia

A divisão da Filosofia historicamente sempre foi objeto de controvérsias e os autores adotam diferentes versões, conforme variados pontos-de-vista.

JOLIVET a dividiu em 3 partes: Lógica, Filosofia especulativa Filosofia prática.

Veja como ficou:


Observação
Alguns atribuem a Aristóteles o equívoco de ter dado à Filosofia o sentido de somatória dos conhecimentos humanos; na verdade, esses autores estão enganados, porque Aristóteles não mistura, não confunde a Filosofia com as ciências particulares, ao dizer que a Filosofia é ciência de todas as coisas pelas últimas causas, isto é, pelas causas e razões mais remotas e que, por isso mesmo, ultrapassam as possibilidades, o campo e o método das ciências particulares; a estas incumbe a investigação das causas próximas observáveis e controláveis pelos recursos do método científico ou experimental. (RUIZ, 1982, P. 109)
QUE É FILOSOFIA

Não há filosofia que se possa aprender; só se pode aprender a filosofar.

KANT

"Que é filosofia? ” ─ perguntava-se Jules Lachelier no decorrer de sua aula inaugural, por ocasião de seu primeiro ano de magistério em Toulouse. E, para estupefação de seus jovens alunos, respondia: “Não sei! ”. E toda a cidade de Toulouse zombava do jovem e brilhante filósofo vindo de Paris, que nem sequer sabia o que era a disciplina que estava encarregado de ensinar a seus alunos!

A observação de Jules Lachelier tinha, entretanto, um profundo sentido. Ela significava que a filosofia não é matéria de conhecimento. Em todas as outras disciplinas temos algo que aprender (...)

[Mas] Se alguém espera da filosofia um conjunto de conhecimentos precisos e certos, bastando tão-somente adquiri-los, sua decepção será completa. (HUISMAN; VERGEZ, 1964, p. 10)

O problema da Filosofia

Nos tópicos seguintes, baseado em (HÜHNE, 1987 e MARITAIN, 1981), mostra-se a importância do filosofar para todo ser humano, isto é, a imperiosa necessidade de compreender e interpretar sua existência na Terra e da formação de senso crítico e reflexivo, em face dos contextos culturais, religiosos, ideológicos e sociais em que vive.

Discute-se também a "impossibilidade" de definir Filosofia, mas toma-se a definição dada por Jacques Maritain como interessante aos objetivos deste RLE.

Vamos lá.

 

A mesma autora aduz (HÜHNE, 1987, p. 93):
 
Todavia, mesmo que o ser humano não se dê conta que está fazendo filosofia, ele faz filosofia. A. Gramsci é incisivo nesta posição, demonstrando que “todos os homens são filósofos”, porque a filosofia se encontra presente na linguagem que o ser humano adquire no mundo em que vive, às vezes de modo imperceptível. Mas ele indaga: não se deveria elaborar uma concepção própria do mundo, de modo crítico e consciente?
....................................
Assim, não tem sentido definir aprioristicamente o conteúdo da filosofia, porque tudo pode ser objeto de trabalho do pensamento crítico: a política, a ideologia, a arte, a ciência.

Observação
Filosofia não se confunde com devaneios sobre fantasias; questiona problemas reais, usa princípios racionais, procede de acordo com as leis formais do pensamento, tem método próprio, predominantemente dedutivo, nas suas colocações críticas. (RUIZ, 1982, P. 109)
Voltar

Viver e compreender

(A filosofia como) um trabalho para transformar a experiência imediatamente vivida numa experiência compreendida.

 MARILENA CHAUÍ

Em O que é Filosofia, MARILENA CHAUÍ problematiza o sentido da filosofia e também desmitifica a sua usual definição: “ciência universal”, “ciência de todas as coisas” ciência dos conteúdos”.

Diz a filósofa:
 
(...) Seria uma tarefa absurda e pouco produtiva, para não dizer inglória e vã, tentar uma definição de Filosofia. Não porque a filosofia seja essa coisa imprecisa, flutuante, tal que tudo é filosofia e nada é filosofia, mas porque definir a Filosofia é dar a ela, de antemão, conteúdos. Se eu der, de antemão, conteúdos para a Filosofia, eu terei retirado, pelo menos na perspectiva em que eu me coloco, a própria possibilidade de fazer filosofia. Então, o problema de uma definição de Filosofia se coloca não tanto porque tudo e nada é Filosofia, mas pelo próprio tipo de atividade que caracteriza a Filosofia. (Apud HÜHNE, 1987, p. 101)

Sendo assim, qual seria, então, a utilidade da Filosofia?

A própria CHAUÍ responde:

 
 
Se abandonar a ingenuidade e os preconceitos do senso comum for útil; se não se deixar guiar pela submissão às ideias dominantes e aos poderes estabelecidos for útil; se buscar compreender a significação do mundo, da cultura, da história for útil; se conhecer o sentido das criações humanas nas artes, nas ciências e na política for útil; se dar a cada um de nós e à nossa sociedade os meios para serem conscientes de si e de suas ações numa prática que deseja a liberdade e a felicidade para todos for útil, então podemos dizer que a Filosofia é o mais útil de todos os saberes de que os seres humanos são capazes. (CHAUÍ, 2005, p. 24)
 
Voltar
Definição de Filosofia

Em que pesem todas essas considerações, uma boa definição de Filosofia (se é ainda é possível) para os objetivos deste nosso RLE, é a de Jacques Maritain, no seu livro Introdução Geral à Filosofia. (Agir, RJ, 1981). 

Diz ele:

 
A Filosofia é conhecimento científico que pela luz natural da razão considera as causas primeiras ou as razões mais elevadas de todas as coisas; ou ainda: o conhecimento científico das coisas, pelas primeiras causas, na medida em que estas se referem à ordem natural.
 
 Para ver o pensamento completo do autor, clique aqui
Noções introdutórias de Filosofia

O professor Silvio Seno Chibeni, do Departamento de Filosofia - IFCH - Unicampespírita e articulista da revista Reformador, na qual escreve sobre a temática Espiritismo, Filosofia e Ciência, mantém um site (http://www.unicamp.br/~chibeni) com textos da Filosofia e Física, áreas nas quais é formado. 

Desse site, extraímos a lição abaixo, que nos servirá neste estudo introdutório da filosofia.

Vamos lá.

Filosofia: Noções introdutórias
 
Embora aparentemente simples, as questões do que é e para que serve a filosofia estão entre as que mais dificuldades e divergências causam entre os filósofos. Esse mero fato, porém, já indica algo importante sobre a natureza da filosofia: o questionamento sistemático, incessante e profundo de tudo o que se afirma.

É comum caracterizar-se a filosofia como aquilo que fazem os grandes filósofos: Platão, Aristóteles, Tomás de Aquino, Descartes, Locke, Hume, Kant, entre tantos outros. Embora pareça circular, essa definição também ajuda a delinear o domínio dessa disciplina, desde, é claro, que se estudem as obras desses homens. Quando fazemos isso damo-nos conta de que existe uma ampla variação nos problemas, teses e métodos que se consideram pertinentes à filosofia.

Voltando às origens da filosofia na Grécia Antiga, notamos que, pela própria etimologia do termo, a filosofia era entendida como o amor ao saber, ou a busca da verdade. Naquela época e, em certa medida, por muitos séculos da era cristã, a filosofia englobava todos os ramos do conhecimento puro (em contraste com as artes e ofícios). Só gradualmente é que alguns deles foram se tornando autônomos, como a matemática, a astronomia, a história, a biologia, a física. Em particular, a distinção entre filosofia e ciência é bem recente, esboçando-se no início do período moderno, no século XVI, e acentuando-se nos séculos seguintes.

Hoje em dia costuma-se considerar pertencentes ao tronco principal da filosofia as disciplinas da estética, lógica, ética, epistemologia e metafísica, sendo que as duas primeiras mostram tendência à autonomização. De forma muitíssimo simplificada, pode-se dizer que a estética examina abstratamente a beleza e a feiúra; a lógica investiga o encadeamento formal das proposições; a ética estuda questões relativas ao bem e ao mal, aos direitos e deveres; a epistemologia ocupa-se do conhecimento, suas origens, fundamentos e limites, enquanto que a metafísica procura especular sobre a natureza última das coisas. Fora esses ramos fundamentais, há ainda diversos outros que resultam de suas interconexões e especializações, como por exemplo a filosofia política, a filosofia da linguagem, a filosofia da ciência, a teologia.

Uma das principais correntes filosóficas contemporâneas propõe que a filosofia não deve ser entendida como a formulação ou defesa de teses ou conjuntos de teses sobre o que quer que seja, mas simplesmente como o desenvolvimento de métodos de análise crítica e sistemática, a serem aplicados especialmente ao chamado conhecimento científico.     

Nessa perspectiva, o filósofo seria alguém que tenta explicitar os conceitos, os pressupostos, a estrutura lógica e as implicações das teorias científicas, políticas, religiosas, etc. Semelhante atitude crítica — mas não de uma crítica leviana, estouvada ou interesseira — seria a essência da filosofia, o elemento comum que permearia a grande variedade de linhas filosóficas já concebidas.

Embora quando se olhe para as abstrações e sutilezas tipicamente discutidas pelos filósofos se possa concluir que a filosofia para nada serve — e não poucos filósofos concordariam com isso —, a referida proposta talvez permita encontrar, num plano seguramente afastado do das necessidades materiais cotidianas, uma finalidade útil para a filosofia: a clarificação das bases, métodos e implicações das ciências e de outras disciplinas intelectuais, contribuindo-se assim para a identificação de fundamentos falsos ou inseguros, de falácias argumentativas, de dogmas encobertos.

Ensinando, ou pelo menos convidando, o homem a refletir criticamente sobre tudo o que se afirma ou faz em todos os setores, a filosofia de alguma forma auxilia o aprimoramento de seu intelecto e, talvez, de seus sentimentos, que o diferenciam de um mero animal que come, bebe, dorme e se reproduz.
(Os destaques não são do original.)

Sugestão de leitura:
RUSSELL, B. The Problems of Philosophy. Oxford, Oxford University Press, 1983. (Ver, especialmente os capítulos 14 - The limits of philosophical knowledge e 15 - The value of philosophy.)
Original: http://www.ditext.com/russell/russell.html
Tradução de Jaimir Conte: http://www.cfh.ufsc.br/~conte/russell.html
 
Voltar

Referências bibliográficas

HUISMAN, Denis; VERGEZ; André. Curso Moderno de Filosofia. Introdução à Filosofia das Ciências. Rio de Janeiro, Freitas Bastos, 1964
JOLIVET, Regis. Curso de Filosofia. Rio de Janeiro, Agir, 1979
MARITAIN, Jacques. Introdução Geral à Filosofia. Rio de Janeiro, Agir, 1981
HÜNE, Leda Miranda [Org.]. Metodologia científica. Caderno de textos e técnicas. Rio de Janeiro, Agir, 1987
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo, Ática, 2005
RUIZ, João Álvaro. Metodologia Científica. Guia para eficiência nos estudos. São Paulo, Atlas, 1982
JUPIASSU, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro, Zahar, 1993
MICHAELIS. Dicionário Eletrônico
ROTEIRO DE LEITURA E ESTUDO (RLE)
Módulo 3 - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FILOSOFIA

O Espiritismo é, acima de tudo, uma filosofia de vida, uma concepção do universo, do homem e da vida, que deve ser integralmente compreendida pelo adepto, para que ele possa realmente viver como espírita. 

HERCULANO PIRES. Os três caminhos de Hécate, Cap. 19

Finalidades deste Módulo 3
Efetuar a leitura/estudo do texto Filosofia Geral, de autoria de Deolindo Amorim, e de outros textos complementares, objetivando conhecer noções introdutórias de Filosofia.

Pré-requisito

Ter lido com atenção e/ou executado os procedimentos indicados nos módulos Apresentação, (1) Metodologia de ensino-aprendizagem) e (2) Textos para estudo deste RLE.
Ter lido com atenção e esquematizado as noções introdutórias de Filosofia e de leitura e linguagem filosóficas, dadas acima (tópico: Preliminarmente)

Objetivos de ensino

Ao concluir todas as atividades deste Módulo 3, você será capaz de:

      conhecer definições e conceitos de Filosofia
      conhecer o conceito de Verdade
      conhecer a distinção entre Filosofia e Ciência
     
 conhecer os Métodos e Processos da Filosofia
     • conhecer as formas de aquisição do Conhecimento
     • conhecer os Critérios de aferição do Conhecimento
     • conhecer uma forma de Divisão da Filosofia
     • conhecer o Objeto da Filosofia
     • conhecer o conceito de Causa
     • conhecer a teoria fundamental do Problema do Conhecimento   
     • conhecer as Condições do Conhecimento
      conhecer os Critérios do Conhecimento

Atividades
     ♦ Proceda à leitura/estudo dos textos abaixo indicados (itens Texto-base e Textos complementares), observando as instruções do tópico Leitura e Filosofia  do Módulo Apresentação deste RLE.
     ♦ Faça um resumo da matéria, mediante notas, esquemas, mapas mentais, como preferir, para cada tópico especificado nos Objetivos de ensino (v. acima)
      ♦ Faça resumos próprios de pontos relevantes do material lido/estudado: pense filosoficamente, destaque os pontos altos e baixos dos textos, liste perguntas a que o texto responde, critique as ideias, exponha seu modo de ver as coisas, levante questões para futuros estudos/discussões, anote pontos para pesquisar posteriormente
     ♦ Consulte glossários/dicionários para verificar conceitos ou palavras desconhecidas, e as adicione ao seu glossário pessoal de filosofia

Material de estudo
     Tenha à mão: textos-base, e-books, dicionários, papel, lápis e fichas de anotações e fichamento, se for adotá-las

Texto-base
     Texto Filosofia Geral, de Deolindo Amorim, transcrito a seguir (aqui)

Textos complementares
     Os Textos complementares a serem trabalhados estão discriminados logo abaixo (aqui)


Exercícios
      Alguns Exercícios de verificação encerram o estudo deste módulo (aqui)

Impressão do material
      Recomenda-se a leitura on-line do roteiro e a impressão somente do material estritamente necessário
TEXTO-BASE: Filosofia Geral (por Deolindo Amorim)

Instrutor Guima

Eis o texto Filosofia Geral, de Deolindo Amorim, objeto deste RLE, que nos servirá como introdução ao estudo da filosofia.

Ele foi extraído do livro 
Doutrina Espírita. Deolindo Amorim. Círculo Espírita da Oração, Salvador, BA, 1993.

Vamos lá.

 
 
TEXTOS COMPLEMENTARES
Instrutor Guima

A seguir, vai a indicação dos materiais a serem lidos/estudados em complemento ao Texto-base.

Vamos lá!

Livro Introdução à Filosofia Espírita - Herculano Pires
- Perfil da Filosofia Espírita - págs. 9 a 18
- Cap. II - Filosofia e Espiritismo - págs. 19 a 30


Apostila Curso de Introdução à Filosofia Espírita - CEI/Sergio B. Gregório
- Conceito de Filosofia - págs. 3 a 5

Caderno de Leituras Espíritas - Filosofia Espírita
Parte 1
2 - Filosofia viva e racional, sem o espírito de sistema – Herculano Pires - págs.
24 - 23

3 - A Filosofia do Espírito – Herculano Pires - págs. 26 - 25
      - n° 2. O problema do conhecimento
      - n° 3. Determinismo e Livre-arbítrio
 Parte 2
- (Continuação) n° 4. O homem no mundo - págs. 4
 - 35

- Cristãos e Filósofos – Herculano Pires - págs. 46 - 77
Parte 3
11 - A Filosofia Espírita - João Donha - págs. 
- 95

Caderno de Leituras Espíritas - Ciência Espírita
Parte 2
11 -  Os fundamentos da ética espirita - Silvio Seno Chibeni 
- pag. 15

Módulo 2 - Textos para estudo
- A Filosofia no mundo - Karl Jaspers  - Disponível aqui

Artigo digital
Espiritismo e Filosofia - Jorge Cordeiro - aqui
Biblioteca digital

Você já deve ter incluído este e-book na sua biblioteca digital, se não, guarde o link abaixo:

 Filosofia - Ensino Médio - Vários autores - Curitiba - SEED - PR, 2006
 

EXERCÍCIOS DE VERIFICAÇÃO
Instrutor Guima

A seguir, vêm alguns exercícios para verificar o que aqui foi lido e estudado.

São exercícios bastante simples, para repassar brevemente os textos deste Módulo 3, destacar algum ponto ou, ainda, chamar a atenção para aspectos interessantes.

O entendimento e apreensão da matéria estão ligados à leitura compreensiva e anotada, e às questões e críticas que você mesmo formulou durante os estudos.

As respostas estão logo abaixo.

Vamos lá.

Perguntas

1. Como Régis Jolivet (Curso de Filosofia) distingue as formas do saber humano? 

2. Segundo Jolivet (Curso de Filosofia), qual é o conceito antigo de filosofia e a quem é atribuída a invenção da palavra?

3. Como Régis Jolivet (Curso de Filosofia) divide o estudo da filosofia?

4. Como Jacques Maritain (Introdução Geral à Filosofia) definite filosofia?

5. Como Deolindo Amorim (Filosofia Geral, curso no ICEB) conceitua verdade por si mesma e verdades condicionais?

6. Por que, segundo Deolindo Amorim, algumas pessoas colocam a filosofia hierarquicamente superior em relação à Ciência?

7. Segundo Deolindo Amorim, quando a Filosofia emprega o método indutivo e o método dedutivo?

8. Segundo informa Herculano Pires (Introdução à Filosofia Espírita), como Manuel Gonzáles Soriano, espírita espanhol, define o Espiritismo?

9. Segundo o professor João Donha (artigo A Filosofia Espírita), como Andre Lalande elaborou o Vocabulaire Technique et Critique de la Philosophie, que reconheceu o Espiritismo como ramo da Filosofia?

10. Para Karl Jaspers (Introdução ao pensamento filosófico), qual é o problema crucial da Filosofia em face do mundo?

 
Respostas

1. Conhecimento empírico, conhecimento científico e conhecimento filosófico. 

2. Com o significado de amigo da ciência e da sabedoria, a invenção da palavra é atribuída ao grego Pitágoras.

3. Lógica, Filosofia especulativa e Filosofia prática.

4. A Filosofia é conhecimento científico que pela luz natural da razão considera as causas primeiras ou as razões mais elevadas de todas as coisas; ou ainda: o conhecimento científico das coisas, pelas primeiras causas, na medida em que estas se referem à ordem natural.

5. Verdade por si mesma é aquela que subsiste no tempo e no espaço e não depende de época nem de lugar, pois é sempre Verdade. Verdades condicionais são aquelas que predominam em determinadas épocas, em determinados povos, mas tendem a se modificar ou desaparecer à proporção que as Ciências se desenvolvem.

6. Há quem coloque coloque, hierarquicamente, a Filosofia acima da Ciência, por entender que, enquanto a Ciência se atém às causas imediatas ou mais próximas, interessando-se apenas em explicar como se realizam os fenômenos, a Filosofia ultrapassa os limites da Ciência, porque procura as causas mais gerais, e, portanto, a razão íntima das coisas, a fim de encontrar o porquê das leis e dos fenômenos.

7. A Filosofia emprega o método indutivo (dos efeitos para a causa) quando estuda, por exemplo, a Natureza física: começa pelo que está mais próximo, a forma, a propriedade dos corpos, o homem, afinal, e parte daí para as generalizações, induzindo logicamente dos efeitos para a Causa maior.
E serve-se do método dedutivo quando estuda problemas metafísicos ou ideias, porque é necessário começar por uma noção geral (o ser, o universo, a inteligência suprema, etc.) para descer, dedutivamente, aos efeitos particulares.

8. Para González Soriano, o Espiritismo é a Filosofia, e deve ser visto como a síntese essencial dos conhecimentos humanos aplicado à investigação da verdade. (Herculano Pires, livro citado, p. 21)

9. O "Vocabulaire Technique et Critique de la Philosophie" foi elaborado e publicado por André Lalande em fascículos durante as duas primeiras décadas do século XX. Ele não elaborou só. Travou profícua correspondência com vários filósofos contemporâneos — Henri Bergson, Émile Meyerson, Édouard Le Roy, Maurice Blondel, Jules Lachelier, Léon Brunschvicg, Henri Delacroix, Frédéric Rauh, Georges Sorel, Pierre Janet, Edmond Goblot, Louis Couturat, Victor Delbos, e outros —, cujas contribuições se transformaram em notas de pé de página na edição definitiva. (Caderno de Leituras Espíritas - Filosofia Espírita, Parte 3)

10. O problema crucial da Filosofia em face do mundo é o seguinte: a filosofia aspira à verdade total, que o mundo não quer. A filosofia é, portanto, perturbadora da paz.  (A Filosofia no mundo, texto de Karl Jaspers no livro Introdução ao pensamento filosófico. Disponível no Módulo 2 deste treinamento (aqui)
CITAÇÕES E TRANSCRIÇÕES

As citações e/ou transcrições de textos ou trechos de textos, com a devida identificação de autor/editor, foram feitas para fins de estudo da Filosofia Espírita, e cada uma delas está vinculada a um exercício, ou a um teste, ou a uma análise de texto, ou a uma reflexão doutrinária, histórica ou filosófica do Espiritismo. (LDA - 9.610/1998 art. 46, III)
 

CAIXA DE FERRAMENTAS

Cadernos de leituras espíritas
 
FILOSOFIA
♦ Para acessar a PARTE 1, clique aqui
♦ Para acessar a PARTE 2, clique aqui
♦ Para acessar a PARTE 3, clique aqui

CIÊNCIA
♦ Para acessar a PARTE 1, clique aqui
♦ Para acessar a PARTE 2, clique aqui
♦ Para acessar a PARTE 3, clique aqui

Materiais doutrinários espíritas

- Introdução à Filosofia Espírita - Herculano Pires - aqui
- Os filósofos - Herculano Pires - aqui
- EADE 5 - Filosofia e Ciências Espíritas - FEB - aqui
Curso de Introdução à Filosofia Espírita - Sérgio B. Gregório -  aqui
- Apostila Espiritismo e Ciência - Alexandre F. da Fonseca - aqui
- Fundamentação da Ciência Espírita - C. F. Loeffler - aqui

Materiais de filosofia


- Dicionário de Filosofia - aqui
- Dicionário de Filosofia (Só Filosofia) - aqui
- Glossário de Filosofiaaqui

- Educação UOL - aqui
- Só Filosofia - aqui
- Superinteressante - aqui

E-books didáticos e de divulgação

- Filosofia (Ensino Médio) - SEED - PR - aqui
- Antologia de Textos Filosóficos - SEED - PR - aqui
- Metodologia Científica - Maria C. P. Bastos - Daniela V. Ferreira - aqui
- Metodologia do Trabalho Científico - Cleber Cristiano Prodanov - Ernani Cesar de Freitas - Feevale - aqui

Dicionários e outros

- Dicionário Michaelis on-lineaqui
- Dicionário analógico AULETEaqui
- Conjugador verbalaqui
- Vocabulário Ortográfico ABLaqui
- Palavras compostasaqui
ÍNDICE DO RLE - ELEMENTOS DE FILOSOFIA E CIÊNCIA ESPÍRITAS

No Módulo - Apresentação, você tem todos os módulos deste treinamento, com os respectivos links.

- Clique aqui

Materiais e métodos
Apresentação do estudo
1 - Metodologia de ensino-aprendizagem - aqui
2 - Textos para estudo

Módulos de leitura/estudo

3 - Introdução ao estudo da Filosofia - esta página
4 - O Espiritismo na história da Filosofia
5 - Noções de Teoria do Conhecimento
6 - Noções de Metodologia Científica
7 - Noções de Filosofia das Ciências
8 - Noções de Ciência Espírita
9 - Noções de Filosofia Espírita
10 - Espiritismo e outras Ciências
11 - Tríplice Aspecto do Espiritismo
12 - Programa de Filosofia Espírita
ALGuimaraes
Enviado por ALGuimaraes em 23/01/2020
Alterado em 26/01/2020
Comentários
    
CONHEÇA o site AQUI
ÍNDICE GERAL do site AQUI

APRENDIZADO ESPÍRITA   

 O CONTEXTO

A - Introdução ao Aprendizado Espírita ( IAP)
B - O que é Espiritismo (OQE)
C - Espiritismo em tom de conversa (ETC)


    A PREPARAÇÃO

D - Planejamento e Organização Pessoal (POP)
E - Estudo Pessoal do Espiritismo (EPE)


     AS TÉCNICAS E FERRAMENTAS

F - Aprendizado Didático de Espiritismo (ADE)
G - Comunicação na Casa Espírita (CCE)
H - Técnicas de Ensino e Aprendizagem (TEA)
I - Metodologia e Pesquisas Espíritas (MPE)
J - Direção da Casa Espírita (DCE)


     OS OBJETIVOS

K - Trabalhadores da Casa Espírita (TCE)
L - Qualidade da Prática Doutrinária (QPD)
M - Gestão do Conhecimento Espírita (GCE)
N - Formação de Formadores Espíritas (FFE)

ONDE ENCONTRO
Falar em público
Informações sobre Kardec

Obras Espíritas de Referência
Pesquisa bibliográfica espírita
A Revista Espírita de Allan Kardec
Planificação e Elaboração de Palestras
Ferramentas para estudar e divulgar o Espiritismo
Orientações a Trabalhadores e Atividades Espíritas

ESTUDOS ESPÍRITAS
EVANGELHO E ESPIRITISMO
FILOSOFIA E ESPIRITISMO
CIÊNCIA E ESPIRITISMO

ÍNDICE GERAL DO SITE
TÓPICOS ESPECIAIS
ÍNDICE DOS MÓDULOS

 
Espaço Francisco de Paula Vítor
Espaço S. E. Bezerra de Menezes

 No site O CONSOLADOR
  Curso a distância - Elementos de Filosofia e Ciência Espíritas
 
  Novas informações históricas sobre o Espiritismo
 Baixar a COLETÂNEA
 Veja aqui
Os Curadores do Senhor R$ 20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$ 20,00
Menino-Serelepe R$ 20,00